A Tabuada

Os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997, p.26), afirmam que é importante destacar que a Matemática deverá ser vista pelo aluno como um conhecimento que poderá favorecer desenvolvimento do seu raciocínio, de sua  capacidade expressiva, de sua sensibilidade estética e de sua imaginação.

No ensino da Matemática, professores e alunos devem procurar relacionar as observações do mundo real na forma de representações (esquemas, tabelas, figuras) e também ter a capacidade de relacionar essas representações com princípios e os conceitos matemáticos, sendo que, para que isso ocorra, a comunicação tem uma grande importância e deve ser estimulada, procurando levar o aluno a expor de forma oral e escrita sobre os assuntos relacionados com a Matemática, a trabalhar e a compreender as informações e os dados representados por meio de gráficos e desenhos e a aprenderem como organizar esses dados e como saber usá-los.

As professoras dos 4º ano agendaram uma aula no LIE, com o objetivo de trabalhar com a multiplicação e a divisão ao mesmo tempo,  para que os alunos percebessem que uma operação é o inverso da outra.

Elaboramos no TuxPaint, esta série de atividades, que os alunos resolveram no próprio software.

Veja as atividades na página Matemática.

tabuada, multiplicação, divisão,Matemática, TuxPaint

tabuada, multiplicação, divisão,Matemática, TuxPaint

A Mutliplicação

Aprendemos que a multiplicação é a soma de parcelas iguais.

Vejamos essa informação, que está em: http://educar.sc.usp.br/licenciatura/2003/hm/page03.htm

” Os papiros da Matemática egípcia 
Quase tudo o que sabemos sobre a Matemática dos antigos egípcios se baseia em dois grandes papiros: o Papiro Ahmes e o Papiro de Moscou. O primeiro foi escrito por volta de 1.650 a.C. e tem aproximadamente 5,5 m de comprimento e 32 cm de largura. Foi comprado em 1.858 por um antiquário escocês chamado Henry Rhind. Por isso é conhecido também como Papiro de Rhind. Atualmente encontra-se no British Museum, de Londres. O Papiro de Moscou é uma estreita tira de 5,5 m de comprimento por 8 cm de largura, com 25 problemas. Encontra-se atualmente em Moscou. Não se sabe nada sobre o seu autor.

A técnica de calcular dos egípcios 
Com a ajuda deste sistema de numeração, os egípcios conseguiam efetuar todos os cálculos que envolviam números inteiros. Para isso, empregavam uma técnica de cálculo muito especial: todas as operações matemáticas eram efetuadas através de uma adição. Por exemplo, a multiplicação 13 * 9 indicava que o 9 deveria ser adicionado treze vezes.

13 * 9 = 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 + 9 A tabela abaixo ajuda a compreender como os egípcios concluíam a multiplicação:

Número de parcelas Resultado 1 9 2 18 4 36 8 72

Eles buscavam na tabela um total de 13 parcelas; era simplesmente a soma das três colunas destacadas:

1 + 4 + 8 = 13 O resultado da multiplicação 13 * 9 era a soma dos resultados desta três colunas:  9 + 36 + 72 = 117

Os egípcios eram realmente muito habilidosos e criativos nos cálculos com números inteiros. Mas, em muitos problemas práticos, eles sentiam necessidades de expressar um pedaço de alguma coisa através de um número. E para isso os números inteiros não serviam.

Vamos exercitar? Veja as atividades na página de Matemática.

matematicaegipicia